Políticos corruptos terão que roubar menos ou construir cadeias mais confortáveis

Há muito tempo atrás, parte das pessoas tinham um pensamento definido sobre o político corrupto, que era o seguinte: rouba, mas faz. E isto alimentou a permanência, bem como o surgimento de uma classe de políticos cada vez mais corrupta. Não faltam casos de prefeitos e vereadores nas eleições 2016 que não assumiram, por ter problemas com a Justiça.

Mas veio a Lava Jato, o País sendo passado a limpo. As delações da Odebrecht foram homologadas pela presidente do Supremo Tribunal Federal - Cármen Lúcia. José Sarney avisou em maio de 2016 que se trata de uma metralhadora .100. Ou seja, vai atingir toda a fina flor da política.

De PMDB, passando por PT e chegando ao PSDB. Marcelo Odebrecht, herdeiro da maior construtora do País e um dos homens mais ricos do Brasil, está preso há quase dois anos. Eike Batista, que um dia foi um dos homens mais ricos do planeta, está atrás das grades. Sem curso superior, foi para uma cadeia comum, se vestiu como um preso qualquer e teve a cabeça raspada.

Dois dos homens mais endinheirados do Brasil, estão atrás das grades, cai o mito de que no nosso País que tem dinheiro não vai preso. Ex-governador do Rio, Sérgio Cabral está na cadeia, ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha está atrás das grades, e com eles muitos outros dos chamados "figurões".

Chega se a conclusão de que com o inicio desta limpeza ética no Brasil, os políticos corruptos terão que roubar menos ou construir cadeias mais confortáveis.
Proxima
« Anterior
Anterior
Proxima »